NOUTRATEZ


Chovem duas chuvas:
de água e de jasmins
por estes jardins
de flores e nuvens.

Sobem dois perfumes
por estes jardins:
de terra e jasmins,
de flores e chuvas.

E os jasmins são chuvas
e as chuvas, jasmins,
por estes jardins
de perfume e nuvens.



Cecília Meireles


Escrito por Caio Carmacho às 10h36
[   ] [ envie esta mensagem ]




Cultivo

Exprimir todo um sentimento
Dizer algo agora
Dizer algo now
Diagonal
Espírito vasto e assimétrico,
varrido por luzes que batem, rebatem
e quebram-se na aurora de um tempo
que um único nome poderia conter...

Onde, então, em que rumo me conter?
Então onde, em que vícios próprios me perder?
Privar-me - mesmo que momentaneamente - de minhas sombras
e esparrar-me todo na eternidade deste instante

Agora a aurora tem outro tom
O tempo, um outro compasso
O espaço, uma outra plenitude

O pensamento projeta um campo de todo calmo,
branco, branco, branco, branco... puro alvo
Miro e acerto-me em cheio
e sou sã, branda e branca paciência...
Caroço, somente semente à espera
de solo fértil para reflorescimento

A uva esconde uma densidade não sugerida
por sua simples forma circular
O ciclo é vital
Pedra à espera de um plano
Pedra à espera de um mar
Não um anteparo, nunca um cais,
mas algo muito, muito, muito, muito mais além
do gosto de molhar-me e lavar-me
da secura que eu - pedra - contenho
Depois, pedra, mais limpa ao mar, mais poder ser
e mais completo no mar poder penetrar
e ao mar todo me entregar, amando...
Mas uva no campo,
brilho resplandecendo nas parreiras,
espero meu tempo alimentando sonhos
Depois pisoteado sou
Fermentado sou
Maturado sou...

Tudo para que, finalmente purificado,
possa tocar teus lábios
e, lentamente, começar a habitar teu corpo
Brincar, por instantes, de esconder-me
em cada pedaço do teu interior
E assim, sorrindo e gratificado,
vinho subirei à tua cabeça
e de lá, de cabeça, mergulharei no teu coração

Lembrarei do campo, da uva e do vento
Sim, lembrarei do sopro do vento
extraindo sons de minha espera
Lembrarei de toda gestação,
do percurso de uva a vinho,
vinho corpo meu que bebeste...
Líquido que hoje percorre, avançando sinais,
todas as vias do teu interior.



Raimundo Gadelha

Poema extraído do livro "Para não esqueceres dos seres que somos"


Escrito por Caio Carmacho às 15h53
[   ] [ envie esta mensagem ]




HABEAS CORPUS


No Tribunal da minha consciência

O teu crime não tem apelação

Debalde tu alegas inocência

Mas não terás minha absolvição

Os autos do processo da agonia

Que me causaste em troca do bem que fiz

Correram lá naquela pretoria

Na qual o coração foi o juiz

Tu tens as agravantes da surpresa

E também as da premeditação

Mas na minh’alma tu não ficas presas

Porque o teu caso, é caso de expulsão

Tu vais ser deportada do meu peito

Porque teu crime encheu-me de pavor

Talvez o Habeas Corpus da saudade

Consinta o teu regresso ao meu amor






Escrito por Caio Carmacho às 15h47
[   ] [ envie esta mensagem ]




Olhocausto

Ovo, faca, seio
a hora muda
a moda muda
o ovo, a faca e o seio



Caio Carmacho

Escrito por Caio Carmacho às 10h00
[   ] [ envie esta mensagem ]




Ossos, regras e coisas afins

Mexo os tamborins

Dos meus dedos ansiosos

Pra arrepiar a pele

Pra requebrar os ossos

Regras e coisas afins

Deixo pro fim de quarta

Quando a fantasia diz até breve

E se veste de gravata.




Tchello Melo




Escrito por Caio Carmacho às 09h55
[   ] [ envie esta mensagem ]




SÊMENÉDITO

O amor exige humildade.
Recolher as roupas do quarto
com a nudez morna, esquecida
de seus transtornos.

Ela senta ainda com o sêmen
entre as pernas, a invasão
indefinida, pressionando o fluxo
a lavar a promessa de filhos.

Eu me coloco no lugar dela
e vejo que não aprendi
a ser discreto.



Fabrício Carpinejar

Escrito por Caio Carmacho às 16h21
[   ] [ envie esta mensagem ]




Carnaval

Vamos ao que interessa,

Já que trabalho não enriquece,

Quero ser rico de folia

Milionário na alegria

Vou paro os blocos,

Que lá sou mais feliz

Sigo os cordões...

Onde um coro uníssono

Retumba em euforia,

Vou seguindo o trem da Central,

Atrás do bonde de Santa Tereza

Paro no Odeon que lá tem miscelânea

Amanhã é outro dia

Se o sol não sair,

Vai chover confete e serpentina

No final, cinzas e ressacas

Pena que você se foi Carnaval...

Adeus Pierrô, Arlequim e Colombina

Ainda com a cara pintada de palhaço,

Me entrego novamente a eterna fantasia





Américo Borges


Escrito por Caio Carmacho às 08h47
[   ] [ envie esta mensagem ]




OFÍCIO DE MORTE

Vamos pensar bem baixinho, para não incomodar o doente. Já tão acabado, tão trabalhador, tão brasileiro. E desde já, peço um minuto de silêncio por sua vida pré-datada e endividada.


Por favor, o assunto é sério. As conseqüências são fatais. E as causas, inúmeras. Mas o que sei e posso revelar, é que diante desta georadiografia nacional, o estado é péssimo. O estado é injusto, o estado cobra impostos excessivamente. O estado é de morte! E as doenças estabelecidas, gravíssimas. O subdesenvolvimento do salário, cientificamente apontado como a moléstia causadora da terrível dor de estômago vazio. A embolia dos transportes, que resulta na fatal falta de tempo. Revelando uma sensação desagradável de impotência diante de sua própria vida. A ausência de condições de trabalho é outra doença grave; geradora da indignidade, da tristeza e do medo. Como pode ver, se ainda tiver este sentido funcionando, o caso é terminal e tem dimensões epidêmicas. Visto o tratamento negligente dos profissionais em relação à legislação trabalhista. Um conjunto falido de leis que sofrem uma constante morte agônica, e que não serve para nenhuma das partes envolvidas. Embora, faça a felicidade dos elegíveis agentes do governo funerário. Concebendo assim, um saudável jogo letal, em que o lado mais fraco tem de ser o mais enfermo. E se formos dar prosseguimento ao laudo do exame do trabalhador brasileiro, encontraremos a medonha fobia do desemprego. Um medo explicável a partir do excesso de oferta no mercado, gerando também o vírus da informalidade desqualificada. Um risco nefasto para uma nação em desenvolvimento, carente de vitaminas e sais minerais. Assim como os filhos do trabalhador deste país, que sofrem por não terem suas necessidades atendidas. Para, desde já, irem se acostumando com as mazelas que sofrerão no futuro. Como a amputação do lazer, que causa fortes distúrbios de pensamento e impossibilidade de concentração para assuntos relevantes. Outra moléstia sem remédio é a cauterização educativa, que aprisiona a trabalhadora vítima na quarentena da ignorância, ou da especialização hermética. Tudo isto, todas estas doenças mostram um quadro clínico de falência múltipla das funções de cidadania. Criando a indigência do trabalho, revelando o trabalhador como um frustrado diante da atual mediocridade que se encontra. Não importando se o mau é uma queimadura no cartão de crédito ou a fratura pela queda do caminhão de bóia-fria. O fato é que a morte está próxima. Os aparelhos econômicos que dão um ar para o assalariado serão desligados neste momento, por contenção de despesas. Abaixe sua cabeça em respeito, mesmo que isso te impeça de continuar lendo. Não me importo. Somente me interesso em aliviar a dor deste pobre incurável. Que nunca teve a oportunidade de ter algo verdadeiro em vida, mesmo tendo feito a sua parte dignamente. Mas ele, o trabalhador brasileiro, já não está entre nós. Paradacardiocompulsória. O assalariado debateu-se e agonizou. Um pouco menos do que estava acostumado no cotidiano, e depois, virou sua cabeça para a esquerda. E murmurou nesta direção: "Pai, por que me abandonaste." E a nós, resta uma vida de lida enlutada. Resta a voz enferrujada para cantar neste Funeral de um Trabalhador.

Esta caixa em que estás de madeira roída,

Foi das melhores coisas por ti conseguida.

Pois mesmo morto seu nome foi ecoado,

Nas ruas, vielas e esquinas do mercado.

Seus amigos fizeram uma esmola de lista,

Para você apodrecer longe de nossa vista.

E esteja feliz com o valor conseguido,

Pois seriam anos de salário seu sofrido.

Sua esposa e filhos choram de dor,

Mas também o peso de ser trabalhador.

E não fique triste pelas faltas na vida,

Porque agora falta vela, padre e margarida.



Flávio Assum

18/01/2005




Escrito por Caio Carmacho às 08h06
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
  01/05/2017 a 31/05/2017
  01/09/2015 a 30/09/2015
  01/01/2015 a 31/01/2015
  01/11/2014 a 30/11/2014
  01/10/2014 a 31/10/2014
  01/05/2014 a 31/05/2014
  01/03/2014 a 31/03/2014
  01/02/2014 a 28/02/2014
  01/01/2014 a 31/01/2014
  01/12/2013 a 31/12/2013
  01/10/2013 a 31/10/2013
  01/06/2013 a 30/06/2013
  01/04/2013 a 30/04/2013
  01/03/2013 a 31/03/2013
  01/01/2013 a 31/01/2013
  01/12/2012 a 31/12/2012
  01/11/2012 a 30/11/2012
  01/10/2012 a 31/10/2012
  01/09/2012 a 30/09/2012
  01/08/2012 a 31/08/2012
  01/07/2012 a 31/07/2012
  01/06/2012 a 30/06/2012
  01/05/2012 a 31/05/2012
  01/04/2012 a 30/04/2012
  01/03/2012 a 31/03/2012
  01/02/2012 a 29/02/2012
  01/01/2012 a 31/01/2012
  01/12/2011 a 31/12/2011
  01/11/2011 a 30/11/2011
  01/10/2011 a 31/10/2011
  01/09/2011 a 30/09/2011
  01/08/2011 a 31/08/2011
  01/07/2011 a 31/07/2011
  01/05/2011 a 31/05/2011
  01/04/2011 a 30/04/2011
  01/03/2011 a 31/03/2011
  01/02/2011 a 28/02/2011
  01/01/2011 a 31/01/2011
  01/12/2010 a 31/12/2010
  01/11/2010 a 30/11/2010
  01/10/2010 a 31/10/2010
  01/09/2010 a 30/09/2010
  01/08/2010 a 31/08/2010
  01/07/2010 a 31/07/2010
  01/06/2010 a 30/06/2010
  01/05/2010 a 31/05/2010
  01/04/2010 a 30/04/2010
  01/03/2010 a 31/03/2010
  01/02/2010 a 28/02/2010
  01/01/2010 a 31/01/2010
  01/12/2009 a 31/12/2009
  01/11/2009 a 30/11/2009
  01/10/2009 a 31/10/2009
  01/09/2009 a 30/09/2009
  01/08/2009 a 31/08/2009
  01/07/2009 a 31/07/2009
  01/06/2009 a 30/06/2009
  01/05/2009 a 31/05/2009
  01/04/2009 a 30/04/2009
  01/03/2009 a 31/03/2009
  01/02/2009 a 28/02/2009
  01/01/2009 a 31/01/2009
  01/12/2008 a 31/12/2008
  01/11/2008 a 30/11/2008
  01/10/2008 a 31/10/2008
  01/09/2008 a 30/09/2008
  01/08/2008 a 31/08/2008
  01/07/2008 a 31/07/2008
  01/06/2008 a 30/06/2008
  01/05/2008 a 31/05/2008
  01/04/2008 a 30/04/2008
  01/03/2008 a 31/03/2008
  01/02/2008 a 29/02/2008
  01/12/2007 a 31/12/2007
  01/11/2007 a 30/11/2007
  01/10/2007 a 31/10/2007
  01/09/2007 a 30/09/2007
  01/08/2007 a 31/08/2007
  01/07/2007 a 31/07/2007
  01/06/2007 a 30/06/2007
  01/05/2007 a 31/05/2007
  01/04/2007 a 30/04/2007
  01/03/2007 a 31/03/2007
  01/02/2007 a 28/02/2007
  01/01/2007 a 31/01/2007
  01/12/2006 a 31/12/2006
  01/11/2006 a 30/11/2006
  01/10/2006 a 31/10/2006
  01/09/2006 a 30/09/2006
  01/08/2006 a 31/08/2006
  01/07/2006 a 31/07/2006
  01/06/2006 a 30/06/2006
  01/05/2006 a 31/05/2006
  01/04/2006 a 30/04/2006
  01/03/2006 a 31/03/2006
  01/02/2006 a 28/02/2006
  01/01/2006 a 31/01/2006
  01/12/2005 a 31/12/2005
  01/11/2005 a 30/11/2005
  01/10/2005 a 31/10/2005
  01/09/2005 a 30/09/2005
  01/08/2005 a 31/08/2005
  01/07/2005 a 31/07/2005
  01/06/2005 a 30/06/2005
  01/05/2005 a 31/05/2005
  01/04/2005 a 30/04/2005
  01/03/2005 a 31/03/2005
  01/02/2005 a 28/02/2005
  01/01/2005 a 31/01/2005
  01/12/2004 a 31/12/2004
  01/11/2004 a 30/11/2004
  01/10/2004 a 31/10/2004
  01/09/2004 a 30/09/2004
  01/08/2004 a 31/08/2004
  01/07/2004 a 31/07/2004


Outros sites
  picareta cultural
  cep 20.000
  lorena poema
  ana guadalupe
  americo borges
  diego grando
  mourinha
  antonio cicero
  teo petri
  vicente canato
  olímpio
  bagatela
  caró lago
  garganta da serpente
  ramon mello
  guada fanjul
  supercordas
  dimitri [br]
  fotolog macaco
  cronópios
  bruna beber
  tchello melo
  flávio de araújo
  marcelino freire
  marcelo montenegro
  telma scherer
  podcast caiowas
  flavio pucci
  dalton campos
  poesia - pinga
  mimmy
  leandro de paula
  chacal
  alice sant'anna
  val borges
  cabelo
  as escolhas afectivas
  nave vazia
  carulhina
  victoria visco
  lilian aquino
  rodolfo muanis
  vitor freire
  ismar tirelli neto
  angélica freitas
  lorena magalhães
  plástico bolha
  laise costa
  mariana botelho
  joana rizério
  poesia hoje
  felipe cataldo
  renata flávia
  rafael mantovani
  filipe couto
  foolana de tao
  câmara de ecos
  allan dias castro
  polaco
  bruno fritz
  gregorio duvivier
  ricardo silveira
  omar salomão
  leo gonçalves
  bruno brum
  ana guam
  joão freitas
  lucas viriato
  eduardo coelho
  ademir assunção
  geraldo carneiro
  blog plástico bolha
  carla mariel
  lu barboza
  c.
  roberto borati
  maria rezende
  joão paulo cuenca
  cecilia cavalieri
  antonio lacarne
  shala andirá
  mata piolho
  7 letras blog
  365 poemas a um real
  contato: caiocarmacho@gmail.com
Votação
  Dê uma nota para meu blog


Leia este blog no seu celular

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.