NOUTRATEZ


MINHA GLICOSE TEM NOME

Três pequenos poemas que integram o livro "Poemas Rupestres"

 

- VENTO

Se a gente jogar uma pedra no vento

Ele nem olha para trás.

Se a gente atacar o vento com enxada

Ele nem sai sangue da bunda.

Ele não dói nada.

Vento não tem tripa.

Se a gente enfiar uma faca no vento

Ele nem faz ui.

A gente estudou no Colégio que vento

é o ar em movimento.

E que o ar em movimento é vento.

Eu quis uma vez implantar uma costela

no vento.

A costela não parava nem.

Hoje eu tasquei uma pedra no organismo

do vento.

Depois me ensinaram que vento não tem

organismo.

Fiquei estudado.

 

- TEOLOGIA DO TRASTE

As coisas jogadas fora por motivo de traste

são alvo da minha estima.

Prediletamente latas.

Latas são pessoas léxicas pobres porém concretas.

Se você jogar na terra uma lata por motivo de

traste: mendigos, cozinheiras ou poetas podem pegar.

Por isso eu acho as latas mais suficientes, por

exemplo, do que as idéias.

Porque as idéias, sendo objetos concebidos pelo

espírito, elas são abstratas.

E, se você jogar um objeto abstrato na terra por

motivo de traste, ninguém quer pegar.

Por isso eu acho as latas mais suficientes.

A gente pega uma lata, enche de areia e sai

puxando pelas ruas moda um caminhão de areia.

E as idéias, por ser um objeto abstrato concebido

pelo espírito, não dá para encher de areia.

Por isso eu acho a lata mais suficiente.

Idéias são a luz do espírito - a gente sabe.

Há idéias luminosas - a gente sabe.

Mas elas inventaram a bomba atômica, a bomba

atômica, a bomba atôm.............................

............................................. Agora

eu queria que os vermes iluminassem.

Que os trastes iluminassem.

 

- ANTÔNIO CARANCHO

Me chamam de Antônio Carancho:

Carancho é por maneira que eu ando de pé virado

Moda carancho mesmo.

Pra bobo eu não sou condicionado.

Sou mais garantido de cantor.

Porém meu canto é fechado.

Lastreadamente sou Antônio Severo dos Santos.

Carancho é de caçoada.

Tenho vareios no olhar as coisas.

Chego de ver vaidade nas garças.

Eu ouço a fonte dos tontos.

Pedra tem inveja aos lírios.

Isso eu sei de espiar.

Eu combino melhor com árvores.

Totalmente ao senhor eu falo:

Quem ouve a fonte dos tontos não cabe mais

dentro dele.

Outra pessoa desabre.

 

Manoel de Barros



Escrito por Caio Carmacho às 19h51
[   ] [ envie esta mensagem ]




- A falta que ama

Entre areia, sol e grama

O que se esquiva se dá,

Enquanto a falta que ama

Procura alguém que não há.

Está coberto de terra,

Forrado de esquecimento.

Onde a vista mais se aferra,

A dália é toda cimento.

A transparência da hora

Corrói ângulos obscuros:

Cantiga que não implora

Nem ri, patinando muros.

Já nem se escuta a poeira

Que o gesto espalha no chão.

A vida conta-se, inteira,

Em letras de conclusão.

Por que é que revoa à toa

O pensamento, na luz?

E por que nunca se escoa

O tempo, chaga sem pus?

O inseto petrificado

Na concha ardente do dia

Une o tédio do passado

A uma futura energia.

No solo vira semente?

Vai tudo recomeçar?

É a falta ou ele que sente

O sonho do verbo amar?

 

Carlos Drummond de Andrade



Escrito por Caio Carmacho às 19h25
[   ] [ envie esta mensagem ]




Síntese

 

Desconfie dos que não fumam...

Desacredite nos que não bebam!

 

(Val Borges)



Escrito por Val Borges às 16h50
[   ] [ envie esta mensagem ]




IRONIA CANIBAL

Pelas minhas contas, devo
ter comido, até hoje, 4.237 frangos e galinhas,
22 bois
e exaurido um pequeno lago de lulas,
trutas,
ostras,
lagostas
e sardinhas.

Passarinhos, jamais.
Só em terrinas, e, mesmo assim, na França.
Vegetariano e feminista eu sou, contudo.
Por isto, em festa ou mudo,
comi também 69 mulheres
- com pena e tudo.



Affonso Romano de Sant'Anna

Escrito por Caio Carmacho às 10h21
[   ] [ envie esta mensagem ]




- O passante

O passante
não é atrevido,
é omisso.

Um sozinho
aleatório
no tempo e nos espaços.

Nada mais
indiferente

Anula tudo
em passo vago
como um dividendo das horas.

E lá se vai
no véu da noite
mais um qualquer,
mais um passante...


Caio Carmacho


Escrito por Caio Carmacho às 10h18
[   ] [ envie esta mensagem ]




Eita vida,

Que me foge a cada trago de cigarro,

A cada gole da bebida consumida...

(Ricardo Ramos)



Escrito por Val Borges às 21h10
[   ] [ envie esta mensagem ]




7

Este poema exigiu 7 folhas de papel.
Para escrevê-lo já fumei raivosamente 7 cigarros
e rasguei-o 7 vezes.
7 é um mau número: é o número 13 da minha vida.
Segundo várias aritméticas, não é divisível por 2,
e eu tenho horror a todos os números (e a todas as coisas)
não divisíveis por 2.
Sexta-feira, 7...
Isto hoje não acaba bem...
Vai a chuva ficar chovendo para sempre.
O meu relógio vai continuar disparado,
marcando horas inexistentes.
Ah se os ponteiros andassem para trás!
Ah se ao menos a chuva chovesse para cima
e eu fizesse destes nulos versos
uma folha noturna e molhada!


Abgar Renault

Escrito por Caio Carmacho às 12h50
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
  01/05/2017 a 31/05/2017
  01/09/2015 a 30/09/2015
  01/01/2015 a 31/01/2015
  01/11/2014 a 30/11/2014
  01/10/2014 a 31/10/2014
  01/05/2014 a 31/05/2014
  01/03/2014 a 31/03/2014
  01/02/2014 a 28/02/2014
  01/01/2014 a 31/01/2014
  01/12/2013 a 31/12/2013
  01/10/2013 a 31/10/2013
  01/06/2013 a 30/06/2013
  01/04/2013 a 30/04/2013
  01/03/2013 a 31/03/2013
  01/01/2013 a 31/01/2013
  01/12/2012 a 31/12/2012
  01/11/2012 a 30/11/2012
  01/10/2012 a 31/10/2012
  01/09/2012 a 30/09/2012
  01/08/2012 a 31/08/2012
  01/07/2012 a 31/07/2012
  01/06/2012 a 30/06/2012
  01/05/2012 a 31/05/2012
  01/04/2012 a 30/04/2012
  01/03/2012 a 31/03/2012
  01/02/2012 a 29/02/2012
  01/01/2012 a 31/01/2012
  01/12/2011 a 31/12/2011
  01/11/2011 a 30/11/2011
  01/10/2011 a 31/10/2011
  01/09/2011 a 30/09/2011
  01/08/2011 a 31/08/2011
  01/07/2011 a 31/07/2011
  01/05/2011 a 31/05/2011
  01/04/2011 a 30/04/2011
  01/03/2011 a 31/03/2011
  01/02/2011 a 28/02/2011
  01/01/2011 a 31/01/2011
  01/12/2010 a 31/12/2010
  01/11/2010 a 30/11/2010
  01/10/2010 a 31/10/2010
  01/09/2010 a 30/09/2010
  01/08/2010 a 31/08/2010
  01/07/2010 a 31/07/2010
  01/06/2010 a 30/06/2010
  01/05/2010 a 31/05/2010
  01/04/2010 a 30/04/2010
  01/03/2010 a 31/03/2010
  01/02/2010 a 28/02/2010
  01/01/2010 a 31/01/2010
  01/12/2009 a 31/12/2009
  01/11/2009 a 30/11/2009
  01/10/2009 a 31/10/2009
  01/09/2009 a 30/09/2009
  01/08/2009 a 31/08/2009
  01/07/2009 a 31/07/2009
  01/06/2009 a 30/06/2009
  01/05/2009 a 31/05/2009
  01/04/2009 a 30/04/2009
  01/03/2009 a 31/03/2009
  01/02/2009 a 28/02/2009
  01/01/2009 a 31/01/2009
  01/12/2008 a 31/12/2008
  01/11/2008 a 30/11/2008
  01/10/2008 a 31/10/2008
  01/09/2008 a 30/09/2008
  01/08/2008 a 31/08/2008
  01/07/2008 a 31/07/2008
  01/06/2008 a 30/06/2008
  01/05/2008 a 31/05/2008
  01/04/2008 a 30/04/2008
  01/03/2008 a 31/03/2008
  01/02/2008 a 29/02/2008
  01/12/2007 a 31/12/2007
  01/11/2007 a 30/11/2007
  01/10/2007 a 31/10/2007
  01/09/2007 a 30/09/2007
  01/08/2007 a 31/08/2007
  01/07/2007 a 31/07/2007
  01/06/2007 a 30/06/2007
  01/05/2007 a 31/05/2007
  01/04/2007 a 30/04/2007
  01/03/2007 a 31/03/2007
  01/02/2007 a 28/02/2007
  01/01/2007 a 31/01/2007
  01/12/2006 a 31/12/2006
  01/11/2006 a 30/11/2006
  01/10/2006 a 31/10/2006
  01/09/2006 a 30/09/2006
  01/08/2006 a 31/08/2006
  01/07/2006 a 31/07/2006
  01/06/2006 a 30/06/2006
  01/05/2006 a 31/05/2006
  01/04/2006 a 30/04/2006
  01/03/2006 a 31/03/2006
  01/02/2006 a 28/02/2006
  01/01/2006 a 31/01/2006
  01/12/2005 a 31/12/2005
  01/11/2005 a 30/11/2005
  01/10/2005 a 31/10/2005
  01/09/2005 a 30/09/2005
  01/08/2005 a 31/08/2005
  01/07/2005 a 31/07/2005
  01/06/2005 a 30/06/2005
  01/05/2005 a 31/05/2005
  01/04/2005 a 30/04/2005
  01/03/2005 a 31/03/2005
  01/02/2005 a 28/02/2005
  01/01/2005 a 31/01/2005
  01/12/2004 a 31/12/2004
  01/11/2004 a 30/11/2004
  01/10/2004 a 31/10/2004
  01/09/2004 a 30/09/2004
  01/08/2004 a 31/08/2004
  01/07/2004 a 31/07/2004


Outros sites
  picareta cultural
  cep 20.000
  lorena poema
  ana guadalupe
  americo borges
  diego grando
  mourinha
  antonio cicero
  teo petri
  vicente canato
  olímpio
  bagatela
  caró lago
  garganta da serpente
  ramon mello
  guada fanjul
  supercordas
  dimitri [br]
  fotolog macaco
  cronópios
  bruna beber
  tchello melo
  flávio de araújo
  marcelino freire
  marcelo montenegro
  telma scherer
  podcast caiowas
  flavio pucci
  dalton campos
  poesia - pinga
  mimmy
  leandro de paula
  chacal
  alice sant'anna
  val borges
  cabelo
  as escolhas afectivas
  nave vazia
  carulhina
  victoria visco
  lilian aquino
  rodolfo muanis
  vitor freire
  ismar tirelli neto
  angélica freitas
  lorena magalhães
  plástico bolha
  laise costa
  mariana botelho
  joana rizério
  poesia hoje
  felipe cataldo
  renata flávia
  rafael mantovani
  filipe couto
  foolana de tao
  câmara de ecos
  allan dias castro
  polaco
  bruno fritz
  gregorio duvivier
  ricardo silveira
  omar salomão
  leo gonçalves
  bruno brum
  ana guam
  joão freitas
  lucas viriato
  eduardo coelho
  ademir assunção
  geraldo carneiro
  blog plástico bolha
  carla mariel
  lu barboza
  c.
  roberto borati
  maria rezende
  joão paulo cuenca
  cecilia cavalieri
  antonio lacarne
  shala andirá
  mata piolho
  7 letras blog
  365 poemas a um real
  contato: caiocarmacho@gmail.com
Votação
  Dê uma nota para meu blog


Leia este blog no seu celular

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.