NOUTRATEZ


cotidiano cru (mal-passado)


as pessoas [em sua maioria]
levam seus ritmos, ódio e agonias
[em suma memória]
muito a sério

como se invejássemos
o complicado

não mudam uma vírgula,
não somem do mapa
nem curtem uns tapas

só tocam o itinerário

é lamentável esquecer
da vida com suas merdas
e belezas

tendo uma lua dessas
sobre nossas cabeças


Caio Carmacho


Escrito por Caio Carmacho às 12h51
[   ] [ envie esta mensagem ]




happy end


um poema feliz
seríamos nós dois
caminhando feito bobos
de risos e galáxias
com passos de dança
numa rua sem gravi-
dade somos dois
astronautas
indo comprar pão


Alice Sant'Anna


Escrito por Caio Carmacho às 11h38
[   ] [ envie esta mensagem ]




monaliso


Eu gosto dele.
como quem gosta.
De um quadro na parede.
nem torto, nem feio, nem chato.
um porta retrato. mudo.
me sorrindo sempre.
sem discordar, implicar, reclamar.
ou deixar de sorrir.
tão bacana.
que até enjoa.


Ana Carvalho

Escrito por Caio Carmacho às 10h43
[   ] [ envie esta mensagem ]




pequenas máximas pessoais; desterro I

saudade é uma cadela bêbada
que te liga no meio da noite
dizendo que te ama


Caio Carmacho

Escrito por Caio Carmacho às 11h07
[   ] [ envie esta mensagem ]




REGURGITOFAGIA = CASA COMIGO



Michel Melamed


Escrito por Caio Carmacho às 11h38
[   ] [ envie esta mensagem ]




Estela Estrela



intoxicada por sua própria beleza
estela caminha distante
nas estrelas

como se holofotes
estivessem abaixo
de seus simétricos pés

norteando uma passarela
luminosa até os desajeitados confins
do espaço

flashes flashes
por todos os lados

e foi além feito refrão de nove
bossas

estela que era estrela
deslanchou-se

supernova


Caio Carmacho


Escrito por Caio Carmacho às 12h44
[   ] [ envie esta mensagem ]




Quem já não ficou

sem dormir por um amor?

Conversando a infância e a morte como dois adolescentes.
Procurando memória para imaginar.
Medindo os braços com a boca.
Não achando a maçaneta dos olhos.

Abraçados como dois pugilistas recuperando o fôlego.

A lutar contra o sono.
As pálpebras frágeis como cadeiras de praia.
Senta-se ao fundo para não cair.

A porta está ali e não serve.
O telefone está ali e não serve.
A janela está ali na condição de espelho.

Apaixonar-se é não ter para onde ir porque já se chegou.
É não ter como fugir porque já se encontrou.
É não ter mais escolha.

O cansaço vai agravando a verdade.
Não há mentiras, não há esconderijos,
não há roupa para disfarçar a palavra.

Os travesseiros são duas crianças brincando de estátua.

Continua-se a conversa sem compreender.
Continua-se para compreender.

Os problemas somem e se redimem.
As estrelas param de beber. Os telhados param de fumar.
Os insetos apagam as lâmpadas.

Os vícios são perdoados pelo viço.

O rosto expulsa o vidro com cuidado.
Como se o acidente daquela madrugada
fosse liberar os estilhaços no decorrer dos anos.

Não deveria ser permitido receber tanto.
Não deveria ser permitido dar tanto.
Inventa-se uma dor para suportar a alegria.

O que foi vivido mudará. O que não foi vivido perturbará.

Todo adeus será covarde. Não pode ter sido tudo aquilo
- não pode ser só aquilo.

Nada apagará a intimidade do homem ser louvado pelos seios,
ser preso pelos quadris, represado pelo pescoço.

O cansaço da insônia é maravilhoso.
O cansaço da insônia do amor é maravilhoso.

Dorme-se no trabalho depois, dorme-se no ônibus depois,
dorme-se sentado depois.

Passar uma noite acordado por uma mulher
é ganhar uma vida para dormir em segredo.


Fabrício Carpinejar

Escrito por Caio Carmacho às 12h24
[   ] [ envie esta mensagem ]




Tacada de mestre



olhos contraídos
refletem o veloz
descaso

para com o vídeo que passa
para com os cigarros que passam
e para com as pessoas
que passam e falam
mas não param

olhos distraídos
refletem
duas coisas sobre
a mesma coisa

/o divino observado
e o observador divino\

a vontade sobrepujada
em olhos fixos

e tudo denuncia
e fica perdido
num jogo impreciso

ele se escora
nas paredes
como um justiceiro
derramado

mira bem o olho da morte
e se entrega inteiro
ao quebranto

bola preta
na caçapa do canto


Caio Carmacho


Escrito por Caio Carmacho às 09h49
[   ] [ envie esta mensagem ]




A laçada


O Bento caiu como um touro
no terreiro
e o médico veio de Chevrolé
trazendo um prognóstico
e toda a minha infância nos olhos


Oswald de Andrade

Escrito por Caio Carmacho às 09h47
[   ] [ envie esta mensagem ]




- urbano rapaz


ele me aparece nublado

como um sentimento clínico
agendado

bate duas vezes na porta

sem resposta, vai-se embora

com aquele espectro de lixeiro

levando meu coração aos cacos


Caio Carmacho

Escrito por Caio Carmacho às 12h48
[   ] [ envie esta mensagem ]




enquanto 10


inimigos um frente ao outro
) carros em veloz beijo brutal (
somente se despem
tão logo se calam

)(

O


let it be
let it bleed



.


Pablo Araujo

Escrito por Caio Carmacho às 12h43
[   ] [ envie esta mensagem ]




- público-alvo


não quero poesia florida,
sem sal

cheia de eufemismos
e nunca mais

patéticas imagens, pornografia grátis,
previsibilidade ou ensejos
verbais

quero que minha via
tenha razão de ser

bala perdida na cabeça
de quem me ler


Caio Carmacho

Escrito por Caio Carmacho às 11h22
[   ] [ envie esta mensagem ]




tenso


rolo de arame farpado
tora de peroba
de aroeira
todas as formigas
do couro da minha cabeça
meu queixo
minha mão
meu pau meu punho
meus tensos dentes


Amo aquela mulher
desde o momento
em que a vi mijando
descontrolada em pé

aquela mulher
era o puro amor


Fabrício Corsaletti


Escrito por Caio Carmacho às 09h08
[   ] [ envie esta mensagem ]




AGORA É DEFINITIVO



Programação oficial da FLIP 2007 que rola de 4 a 8 de julho em Paraty:



- Quarta-feira: 4 de julho

21h - Homenagem a Nelson Rodrigues e Show de abertura com a Orquestra Imperial e João Donato



- Quinta-feira: 5 de julho

10h - Futuro do presente: Cecília Giannetti, Fabrício Corsaletti e Verônica Stigger

11h45 - Uivos: Chacal e Lobão

15h - Nelson Rodrigues ato 2: Augusto Boal e Eduardo Tolentino

17h - Sobre macacos e patos: Jim Dodge e Will Self

19h - Tão longe, tão perto: Kiran Desai e William Boyd



- Sexta-feira: 6 de julho

10h - A vida como ela foi: Fernando Morais, Paulo Cesar de Araújo e Ruy Castro

11h45 - Álbum de família: Ana Maria Gonçalves e Ahdaf Soueif

15h - Terras: Antônio Torres e Mia Couto

17h - Crime e castigo: Dennis Lehane e Guillermo Arriaga

19h - Panteras no porão: Amós Oz e Nadine Gordimer



- Sábado: 7 de julho

10h - Nelson Rodrigues ato 3: Arnaldo Jabor, Leyla Perrone-Moisés e Nuno Ramos

11h45 - Dois lados do balcão: César Aira e Silvano Santiago

15h - Perdoa-me por me traires: Alan Pauls e Maria Rita Kehl

17h - Narrativas de conflito: Lawrence Wright e Robert Fisk

19h - Diário de um ano ruim: J.M. Coetzee



- Domingo: 8 de julho

10h - Sem dramas: Bosco Brasil e Mário Bortolotto

11h45 - No coração da selva: Luiz Felipe de Alencastro

15h - Sobre meninos e lobos: Ishmael Beah e Paulo Lins

17h - De Macondo a McCondo: Rodrigo Fresán e Ignacio Padilla

19h - Literatura de estimação: vários autores


Mais informações em:


http://www.flip.org.br


Escrito por Caio Carmacho às 15h33
[   ] [ envie esta mensagem ]




SHAKESPEARE


Shakespeare criou o mundo em sete dias.

No primeiro dia fez o céu, as montanhas

E os abismos da alma.

No segundo dia fez os rios, os mares, os oceanos

E os outros sentimentos –

E deu-os a Hamlet, a Júlio César, a Antônio,

A Cleópatra e a Ofélia, a Otelo e a outros,

Para os dominarem, eles e os seus descendentes,

Até o fim dos tempos.

No terceiro dia reuniu todos os homens

E ensinou-lhes o gosto:

O gosto da felicidade, do amor, da desesperança,

O gosto do ciúme, da glória e assim por diante,

Até se terem acabado todos os gostos.

Chegaram então alguns indivíduos que se tinham atrasado.

O criador afagou-lhes a cabeça compadecido

E disse-lhes que não lhes restava senão

Tornarem-se

Críticos literários

E contestarem-lhe a obra.

O quarto e o quinto dia reservou-os para o riso.

Soltou os palhaços

Para darem cambalhotas,

E deixou os reis, os imperadores

E outros infelizes se divertirem.

No sexto dia resolveu alguns problemas administrativos:

Pôs no caminho uma tempestade

E ensinou o rei Lear

Como se deve usar a coroa de palha.

Ainda haviam sobrado alguns

Desperdícios da criação do mundo

E então fez Ricardo III.

No sétimo dia viu se ainda tinha algo por fazer.

Os diretores de teatro já tinha enchido a terra com cartazes,

E Shakespeare pensou que depois de tanto trabalho

Merecia ele próprio ver um espetáculo.

Mas antes, como estava exaustivamente cansado,

Foi morrer um pouco.


Marin Sorescu

Escrito por Caio Carmacho às 09h31
[   ] [ envie esta mensagem ]




mulher de meia idade



te procuro embaixo das mesas
(qualquer mesa)

ali opaco,
fazendo sombra

como uma promessa
que não se cumpre

sem prazo de validade

percorrendo enganada
a madrugada ausente

toda tola, tolinha
buscando membros dormentes

tiro a calcinha para melhor
sentir o mundo
fora de mim

mas o mundo é acanhado
e não se aventura
em patrimônios tombados

esvazio copos de cachaça
e café

temperando ao meu modo
a vaca atolada,
prato do dia

pro primeiro maluco
que vier



Caio Carmacho


Escrito por Caio Carmacho às 12h27
[   ] [ envie esta mensagem ]




Particularidades...


Muitas vezes, a sós, eu me analiso e estudo,
os meus gostos crimino e busco, em vão torcê-los;
é incrível a paixão que me absorve por tudo
quanto é sedoso, suave ao tato: a coma... Os pêlos...

Amo as noites de luar porque são de veludo,
delicio-me quando, acaso, sinto, pelos
meus frágeis membros, sobre o meu corpo desnudo
em carícias sutis, rolarem-me os cabelos.

Pela fria estação, que aos mais seres eriça,
andam-me pelo corpo espasmos repetidos,
às luvas de camurça, às boas, à pelica...

O meu tato se estende a todos os sentidos;
sou toda languidez, sonolência, preguiça,
se me quedo a fitar tapetes estendidos.


Gilka Machado

Escrito por Caio Carmacho às 11h48
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
  01/05/2017 a 31/05/2017
  01/09/2015 a 30/09/2015
  01/01/2015 a 31/01/2015
  01/11/2014 a 30/11/2014
  01/10/2014 a 31/10/2014
  01/05/2014 a 31/05/2014
  01/03/2014 a 31/03/2014
  01/02/2014 a 28/02/2014
  01/01/2014 a 31/01/2014
  01/12/2013 a 31/12/2013
  01/10/2013 a 31/10/2013
  01/06/2013 a 30/06/2013
  01/04/2013 a 30/04/2013
  01/03/2013 a 31/03/2013
  01/01/2013 a 31/01/2013
  01/12/2012 a 31/12/2012
  01/11/2012 a 30/11/2012
  01/10/2012 a 31/10/2012
  01/09/2012 a 30/09/2012
  01/08/2012 a 31/08/2012
  01/07/2012 a 31/07/2012
  01/06/2012 a 30/06/2012
  01/05/2012 a 31/05/2012
  01/04/2012 a 30/04/2012
  01/03/2012 a 31/03/2012
  01/02/2012 a 29/02/2012
  01/01/2012 a 31/01/2012
  01/12/2011 a 31/12/2011
  01/11/2011 a 30/11/2011
  01/10/2011 a 31/10/2011
  01/09/2011 a 30/09/2011
  01/08/2011 a 31/08/2011
  01/07/2011 a 31/07/2011
  01/05/2011 a 31/05/2011
  01/04/2011 a 30/04/2011
  01/03/2011 a 31/03/2011
  01/02/2011 a 28/02/2011
  01/01/2011 a 31/01/2011
  01/12/2010 a 31/12/2010
  01/11/2010 a 30/11/2010
  01/10/2010 a 31/10/2010
  01/09/2010 a 30/09/2010
  01/08/2010 a 31/08/2010
  01/07/2010 a 31/07/2010
  01/06/2010 a 30/06/2010
  01/05/2010 a 31/05/2010
  01/04/2010 a 30/04/2010
  01/03/2010 a 31/03/2010
  01/02/2010 a 28/02/2010
  01/01/2010 a 31/01/2010
  01/12/2009 a 31/12/2009
  01/11/2009 a 30/11/2009
  01/10/2009 a 31/10/2009
  01/09/2009 a 30/09/2009
  01/08/2009 a 31/08/2009
  01/07/2009 a 31/07/2009
  01/06/2009 a 30/06/2009
  01/05/2009 a 31/05/2009
  01/04/2009 a 30/04/2009
  01/03/2009 a 31/03/2009
  01/02/2009 a 28/02/2009
  01/01/2009 a 31/01/2009
  01/12/2008 a 31/12/2008
  01/11/2008 a 30/11/2008
  01/10/2008 a 31/10/2008
  01/09/2008 a 30/09/2008
  01/08/2008 a 31/08/2008
  01/07/2008 a 31/07/2008
  01/06/2008 a 30/06/2008
  01/05/2008 a 31/05/2008
  01/04/2008 a 30/04/2008
  01/03/2008 a 31/03/2008
  01/02/2008 a 29/02/2008
  01/12/2007 a 31/12/2007
  01/11/2007 a 30/11/2007
  01/10/2007 a 31/10/2007
  01/09/2007 a 30/09/2007
  01/08/2007 a 31/08/2007
  01/07/2007 a 31/07/2007
  01/06/2007 a 30/06/2007
  01/05/2007 a 31/05/2007
  01/04/2007 a 30/04/2007
  01/03/2007 a 31/03/2007
  01/02/2007 a 28/02/2007
  01/01/2007 a 31/01/2007
  01/12/2006 a 31/12/2006
  01/11/2006 a 30/11/2006
  01/10/2006 a 31/10/2006
  01/09/2006 a 30/09/2006
  01/08/2006 a 31/08/2006
  01/07/2006 a 31/07/2006
  01/06/2006 a 30/06/2006
  01/05/2006 a 31/05/2006
  01/04/2006 a 30/04/2006
  01/03/2006 a 31/03/2006
  01/02/2006 a 28/02/2006
  01/01/2006 a 31/01/2006
  01/12/2005 a 31/12/2005
  01/11/2005 a 30/11/2005
  01/10/2005 a 31/10/2005
  01/09/2005 a 30/09/2005
  01/08/2005 a 31/08/2005
  01/07/2005 a 31/07/2005
  01/06/2005 a 30/06/2005
  01/05/2005 a 31/05/2005
  01/04/2005 a 30/04/2005
  01/03/2005 a 31/03/2005
  01/02/2005 a 28/02/2005
  01/01/2005 a 31/01/2005
  01/12/2004 a 31/12/2004
  01/11/2004 a 30/11/2004
  01/10/2004 a 31/10/2004
  01/09/2004 a 30/09/2004
  01/08/2004 a 31/08/2004
  01/07/2004 a 31/07/2004


Outros sites
  picareta cultural
  cep 20.000
  lorena poema
  ana guadalupe
  americo borges
  diego grando
  mourinha
  antonio cicero
  teo petri
  vicente canato
  olímpio
  bagatela
  caró lago
  garganta da serpente
  ramon mello
  guada fanjul
  supercordas
  dimitri [br]
  fotolog macaco
  cronópios
  bruna beber
  tchello melo
  flávio de araújo
  marcelino freire
  marcelo montenegro
  telma scherer
  podcast caiowas
  flavio pucci
  dalton campos
  poesia - pinga
  mimmy
  leandro de paula
  chacal
  alice sant'anna
  val borges
  cabelo
  as escolhas afectivas
  nave vazia
  carulhina
  victoria visco
  lilian aquino
  rodolfo muanis
  vitor freire
  ismar tirelli neto
  angélica freitas
  lorena magalhães
  plástico bolha
  laise costa
  mariana botelho
  joana rizério
  poesia hoje
  felipe cataldo
  renata flávia
  rafael mantovani
  filipe couto
  foolana de tao
  câmara de ecos
  allan dias castro
  polaco
  bruno fritz
  gregorio duvivier
  ricardo silveira
  omar salomão
  leo gonçalves
  bruno brum
  ana guam
  joão freitas
  lucas viriato
  eduardo coelho
  ademir assunção
  geraldo carneiro
  blog plástico bolha
  carla mariel
  lu barboza
  c.
  roberto borati
  maria rezende
  joão paulo cuenca
  cecilia cavalieri
  antonio lacarne
  shala andirá
  mata piolho
  7 letras blog
  365 poemas a um real
  contato: caiocarmacho@gmail.com
Votação
  Dê uma nota para meu blog


Leia este blog no seu celular

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.